Quem tem medo do frizz?

Todas as mulheres que vivem em locais úmidos.

O que propriamente incomoda? Pode ser o efeito de eletricidade, a aspereza, o ar de pessoa maluca… todos podem ser solucionados <3
Nossos processos diários de cuidados com higiene somados ao quanto nos comprometemos com os resultados são determinantes para que tenhamos aspecto bom e qualidade efetiva dos fios de cabelo. O quanto se deve “limpar’ propriamente? Precisa ou não fazer espuma? Produto caro é sinônimo de eficácia ou confiabilidade? Existe química que não danifica o cabelo? Para todas as perguntas, a resposta é depende. Você precisa saber analisar primeiro qual é a sua situação.
Conseguir reduzir ao máximo as agressões químicas que fazemos aos cabelos pode nos levar a delírios, ao praticável apenas para poucas. Eu dizendo, por exemplo, que é maravilhoso lavar os cabelos com água de coco, ou enxaguar com Perrier: quantas de vocês poderiam pagar para ver? As propostas naturais ficam sendo artigos de luxo, como sempre foi na indústria da Beleza.
A água que sai das nossas torneiras urbanas é cheia de aditivos químicos, estamos expostas a uma série de efeitos da poluição, os quais nossos corpos são incapazes de processar. Não mero acaso cada vez mais pessoas vêm manifestando algum tipo de alergia.
Se você se encontra incomodada com o frizz – e já entendeu que progressiva não é mais o seu caminho -, precisa voltar a atenção sobretudo para onde você vive. Sua região é seca ou úmida? venta? O ar tem muita partícula de eletricidade? Pode ser o caso de apenas dar um enxágue com soro fisiológico, ou vinagre de maçã. Ou os cabelos precisam de nutrição, ou seu xampu anda muito carregado de sulfatos.
– E como que a gente descobre, Carol?

Precisamos aprender umas com as outras, seguir as blogueiras com os nossos tipos de cachos ou com as mesmas características que a gente. Precisamos fazer o teste para descobrir nosso nível de porosidade dos fios (aquele do fiozinho que boia no copo)? Pode ser que sim. Mas, repito, precisamos investigar o que, afinal, nos incomoda. No frizz e na vida. Precisamos ter confiança naqueles profissionais que nos atendem. Por mais que eu super incentive a conduta do “faça você mesma”, não significa que seja na aventura total: precisamos dos nossos profes, das literaturas da vida, das horinhas se cuidando, ou minimamente, amorecas, lendo os rótulos e seguindo instruções.

Pra quem leu até aqui, gostou da discussão e quer investigar sua situação, valendo consultoria

free: para os 10 primeiros cliques. Tenho posts neste mesmo endereço, em que pode (ou não) se identificar. Troca uma ideia comigo, no Rio, em POA, via Skype ou redes sociais.

Estou também com evento programado, em Porto Alegre, dia 17/12.

Cosmetologia Natural como você nunca viu – Espelho, espelho meu, O QUE A NATUREZA ME DEU? Pilhou, quer saber? Clica aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *